14/01/2020 Por Ivan Nunes

Sem critérios e muitas vezes mal-intencionadas, enquetes eleitorais pela internet podem ser feitas até 15 de agosto

Sabe aqueles confrontos eleitorais bizarros, que estão bombando nas redes sociais? Pois é, as tais enquetes eleitorais são permitidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na maioria dos casos percebe-se a intenção do propagador. Até mesmo nos confrontos prováveis às eleições de 4 de outubro, a total ausência de critérios técnicos induz o eleitor ao erro. Péssimo para a democracia, mas tem o aval do TSE.

O advogado Gustavo Ferreira, Doutor em Direito Eleitoral, me disse que o entendimento inicial dos ministros do TSE era manter a proibição desse tipo de divulgação, no âmbito geral, a partir de 1º de janeiro, seguindo a mesma norma das pesquisas de intenção de votos, que precisam do registro no TSE para serem divulgadas. Só que, em dezembro, os ministros mudaram de ideia e a resolução 23.1600 passa a proibir a divulgação de resultados sem pesquisa amostral só a partir de 15 de agosto, quando se inicia a propaganda eleitoral.

A decisão é tão sem sentido, assim como os números das enquetes, que os próprios ministros do TSE já discutem rever a equivocada decisão. A resolução 23.600 pode sofrer alterações até 5 de março.

Que seja o quanto antes.

Wadson Régis com o blog

Comentários


Enquete nas redes sociais localizada pelo blog(esses números não representam dados do blog)

Ze escreveu em 15/01/2020 06:41:04:

Kil vai ganhar no inferno , esse bandido.

Envie seu comentário



Blog A Palavra

por Ivan Nunes