14/02/2020 Por Ivan Nunes

Zé Alfredo volta a ser barrado pelo TRE no pedido para ser candidato a prefeito de União dos Palmares

Com o intuito de manter o nome em evidência no processo eleitoral de 2018, pois em 2020 ficaria mais próximo da prefeitura municipal de União dos Palmares, o Vice-prefeito Zé Alfredo cresceu o olho no cargo de deputado estadual pelo PROS(90) e impulsionado pelo então deputado federal, Givaldo Carimbão embarcou numa campanha sem logística e estrutura nos 102 municípios de Alagoas.

Muitos cantaram a bola para o cabeça dura do ZA, lembrando a ele que essa candidatura ele seria bucha de canhão para eleger o filho de Carimbão, haja visto que na coligação dele estavam Chico Tenório(eleito), Inácio Loyola(eleito) Carimbinho(filho de Givaldo Carimbão) Judson Cabral e Zé Alfredo. Foram mais de 50 pessoas dizendo a ZA que que desse grupo apenas 2 se elegeriam. Mas não teve jeito. Ele encarou a parada.

Maluvido, o vice-prefeito acabou superando a barreira dos 5 mil votos em União dos Palmares e muitos zero voto em cidades como Coité do Nóia-AL; Piranhas-AL e mais 80 municípios alagoanos. Irritado, ZA resolveu não se explicar com a Justiça Eleitoral sobre os gastos de sua campanha e, acabou deixando para lá a sua prestação de contas.

Ele perdeu 1-2-3-4-5 prazos dados pela Justiça Eleitoral para justificar onde torrou R$ 41.000,00 e até hoje nada. Esta semana, um desembargador do TRE-AL não aceitou pedido feito pelo advogado especialista em legislação eleitoral e mais caro do Nordeste, Marcelo Brabo.

O advogador de ZA solicitou ao relator da encrenca, desembargador Eduardo Antônio de Campos Leite que ele aceitasse a prestação de contas do vice-prefeito de União dos Palmares. Que ela ao menos  fosse recebida e, depois de analisada, aprovada com ressalva. Pediu também que a situação de Zé Alfredo fosse restabelecida e houvesse regularidade eleitoral dele para que o TRE-AL emitisse certificado de quitação eleitoral para que ZA podesse disputar a eleição para prefeito de União dos Palmares este ano.

Em resposta a tropa SOS de todo jeito, o desembargador disse que "não cabe na atual situação de ZA o exame da documentação do processo e, recomendou que fosse acostado no processo de maneira individual pedido para julgamento das contas do cliente do advogado Marcelo Brabo(sic).

Sendo assim, o relator do problema eleitoral de Zé Alfredo disse NÃO liminarmente, ao pedido de perdão e, assim, a prestação de contas do ZA ganhou novo capítulo. O desembargador solicitou o retorno dos autos para o arquivo eletrônico.

Vale lembrar que lá atrás, o desembargador José Carlos Malta Marques julgou como não prestadas as contas do candidato José Alfredo Soares Lins Wanderley referente as eleições de 2018 e, que diante dessa constatação, ZA fica compelido de receber a quitação eleitoral, documento exigido para quem deseja participar das eleições municipais em 2020. Já que o assunto foi transitado em julgado, não tendo ZA mais chance nenhuma de recorrer da decisão dos togados do TRE-AL e ponto final. E agora, José?

Comentários


Zé Alfredo: segue sem quitação eleitoral

Envie seu comentário



Blog A Palavra

por Ivan Nunes