21/02/2020 Por Ivan Nunes

Magistrada condena Zé Alfredo por acusação ao prefeito Kil de Freitas

A juiza de Direito da 1ª Vara Cível e Eleitoral de União dos Palmares, Soraya Maranhão Silva, prolatou sentença contra o vice-prefeito Zé Alfredo(PTB) numa ação movida pelo prefeito Areski de Freitas(MDB), onde o pré-candidato sem quitação eleitoral utilizou os microfones das emissoras locais e as redes sociais para dizer que "A corrupção tá no DNA dele", numa acusação direta ao Chefe do Poder Executivo dos palmarinos. A cólera de ZA se estendeu também a outra acusação: "não faz nada a não ser desviar dinheiro público"(sic).

Na sentença que o blog teve acesso, a magistrada proibe ZA de botar os pés em toda e qualquer secretaria municipal da prefeitura sem um "breve comunicado" aos diretores do ambiente, numa medida protetiva solicitada pelo prefeito.

"E se abstivesse de praticar conduta semelhante sob pena de aplicação de multa pecuniária diária", disse a juíza Soraya em uma de suas decisões, numa sentença de 16 páginas

Zé Alfredo terá ainda que pagar por danos morais a razão de R$ 70.000,00  por não ter provado a acusação além de outras metas do tipo se repetir o feito a ordem mais R$ 1.000,00.

Outra determinação judicial para ZA cumprir está relacionada a retratação, ou seja: ele terá que jurar de pés juntos nas redes sociais que se "equivocou", "não foi bem assim", "que não sabe onde estava com a cabeça quando escreveu aquilo" e publicar nos quase 100 grupos que participa como membro; as vezes convidado a participar; outros inserem seu nome sem ZA pedir mas no resumo da retratação ele terá que atender esse público alvo.

Ao ser notificado do feito, o réu Zé Alfredo constituiu o advogado Antônio Carlos Leão(Toinho) para defendê-lo. Ágil contra o feito gravado em vídeo e áudio que balisou a decisão da magistrada, o operador do Direito recorreu para o Tribunal de Justiça de Alagoas(TJ/AL) cuja decisão final será dada na Câmara Cível, que fica no pleninho daquela corte.

Comentários


Fac-símile da sentença onde a magistrada enquadrou o político


Zé Alfredo recorreu da decisão no TJ-AL

Envie seu comentário



Blog A Palavra

por Ivan Nunes