10/11/2020 Por Ivan Nunes

Candidato supostamente armado com pistola 380 bate boca com secretária da prefeitura de São José da Laje; caso vai parar na delegacia; tem vídeo



 

O juiz eleitoral José Alberto Ramos, de São José da Laje, não queria, mas vai ter que acionar o botão da segurança pública do estado de Alagoas para garantir a ordem na 16ª circuscrição eleitoral onde ele é o titular.

No meio da tarde desta terça-feira, o agente penitenciário-candidato a vice-prefeito, Flávio Catão, muniu-se de duas armas e foi botar cara feia na porta da secretaria municipal de Ação Social da prefeitura de São José da Laje resultando numa grande confusão.

Na mão, um celular moderno de alta definição para gravar o entra e sai da pasta e...Na cinta: uma suposta pistola 380 municiada ao seu inteiro dispor.

Catão que deveria está cercado de garotas bonitas empunhando bandeirinhas da cabeça de chapa Noemi Lira preferiu armar barraco e levar preocupação ao magistrado eleitoral, José alberto Ramos que vai pedir segurança para o pleito cuja decisão foi tomada, disse uma fonte do blog.

A redação teve acesso à vários vídeos. Num deles Carly Valença, quase afônica responde a pergunta de Catão: eu sou maloqueiro?, com uma suposta pistola debaixo da camisa.

- É...Você é maloqueiro. Você vem pra cá armado amendrontar as meninas!, responde Carly Valença. Catão silencia e segue gravando. A disputa política em São José da Laje nessa reta final parece ganhar novos rumos diante desse episódio.

A oposição chefiada por um candidato armado passa a levar medo a população e a desafiar o comando do juiz eleitoral de São José da Laje, José Alberto Ramos, que certamente vai levar o feito a ordem.

A redação tentou falar com Catão e com o chefe de serviços do Cisp de São José da Laje mas não conseguiu.

 



 



Comentários

Maria escreveu em 10/11/2020 20:09:15:

Não sabia que uma máscara era uma arma perigosa.kkkkkkk

Maria escreveu em 10/11/2020 20:08:54:

Não sabia que uma máscara era uma arma perigosa.kkkkkkk

Envie seu comentário



Blog A Palavra

por Ivan Nunes